Resenha: Euphoria Calvin Klein

Euphoria é um daqueles perfumes de sucesso que realmente fazem total jus à sua fama. Foi o primeiro lançamento da Calvin Klein em um período de três anos e chegou ao mercado em 2005, ano em que também ganhou o Fifi Awards de “Melhor fragrância de luxo feminina”.

A fórmula foi criação da poderosíssima tríade de “noses” Loc Dong, Carlos Benaim e Dominique Ropion, e sua versão original vem em Eau de Parfum. A proposta, inspirada na magia da liberdade de sedução, com a linda modelo russa Natalia Vodianova na campanha, exalta a euforia dos sentidos em um frasco de vidro e metal que evoca o formato de um botão de orquídea negra. A resenha de hoje é dedicada inteiramente à ele, que é também um dos meus perfumes mais queridos!

A romã tem um papel preponderante no aroma em Euphoria e pode ser sentida em todas as fases dele, é a nota que se encarrega do aspecto frutado desde a primeira borrifada. Essa romã surge inicialmente com nuances verdes, bem fresca e nectarada, não completamente doce, mas com um toque ambarino responsável por criar uma aura de “doçura” intermitente, formando um lindo e harmonioso par com a majestosa orquídea negra, que por sua vez tem sua presença aveludada envolvida por uma base amadeirada suave, na qual se evidencia principalmente a madeira de caoba. Nos minutos seguintes da evolução ele adocica e o floral vai assentando aos poucos. A impressão olfativa que desperta em mim é a de uma fragrância sexy, luminosa e sofisticada ao extremo.

Dentre inúmeros florientais com nuances frutadas existentes, Euphoria tem maior densidade e complexidade que a grande maioria nessa categoria. Seus criadores tiveram o cuidado de manipular em sua composição essências não tão convencionais e ao mesmo tempo com características marcantes e suculentas, como as frutas exóticas e frescas, o sensualíssimo acorde de flores (lótus, champaca e orquídea negra) e as madeiras, que se harmonizaram como um todo pra dar essa sacada moderna e “eufórica” no perfume. O adocicado é bastante equilibrado, não rouba a cena, não permite nada de exageros, aqui todas as notas surgem se complementando em perfeita sintonia, e o resultado é de fato exuberante. Só amor!

Bom, agora um fato curioso sobre a minha experiência com ele: tenho vários perfumes os quais utilizo com uma frequência maior ou menor, dependendo do clima, ocasião, da minha vontade, etc. Euphoria é um dos que eu sempre estou usando, por ser versátil, pela fixação fenomenal e pelo conjunto da obra que é muito agradável ao meu olfato. Mas além disso tudo ele ainda tem um pequeno bônus: de uns tempos pra cá eu percebi que esse é o perfume que mais me garante elogios ao usar, até de pessoas que nem mesmo tem o costume de elogiar. Então, quando você não quiser e nem puder errar na escolha de um perfume, seja para qual for o momento, recorra à Euphoria sem medo de ser feliz que ele certamente irá te garantir boas surpresas!

4 Respostas para “ Resenha: Euphoria Calvin Klein ”

  1. Gracelly disse:

    Euphoria…Gostei bastante,esperando aqui uma oportunidade de ter um pra chamar de meu.hEhhehhehehehheheh

  2. Mariana Rocha disse:

    Oi Grace!

    Olha, ele é demais de bom, um dos meus favoritíssimos! Se pintar uma chance, compre sem medo de ser feliz que a chance de se arrepender é quase nula. rs

    Beijos!

  3. Poli disse:

    Adoooro esse perfume! É o meu preferido! Tenho uma dúvida, e nunca encontrei ngn falando sobre isso na net, o meu Euphoria com o tempo o líquido mudou de cor, ficou transparente! Isso já aconteceu com alguém?

  4. Débora Gutierres disse:

    Uso a uns dois anos, e não fico sem! está acabando e já encomendei o próximo. Um dos melhores investimentos que já fiz. <3 por ele!! Quem nunca provou vale muito a pena!

Deixe seu comentário